→ Remédio para Emagrecer – Você não sabe o risco que está correndo?

Você já pensou – ou tentou – emagrecer usando algum medicamento com ou sem orientação médica? Remédio para emagrecer parece uma fórmula mágica para perder peso, porém, oferece grande risco à saúde.

E este é o principal equívoco de quem os consome. Segundo a endocrinologista da Universidade Estadual Paulista, Vânia dos Santos Nunes, quem vai começar ou toma algum remédio para emagrecer precisa saber que o remédio sozinho não traz os resultados esperados.

No entanto, a população brasileira está entre os países que mais consomem anorexígenos, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

Uma pesquisa feita pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas – CEBRID, em São Paulo e Brasília no ano de 2002 revelou:

  • 50% faziam o uso de fórmulas manipuladas à base de derivadas de anfetaminas;
  • 60% dos consumidores tinham o índice de massa corpórea – IMC – abaixo de 30;
  • 97,5% dos entrevistados tiveram efeitos colaterais.

Vale lembrar que a ANVISA proibiu a venda de remédio para emagrecer alegando seus malefícios para o organismo em outubro de 2011.  Contudo, um projeto de lei que libera a venda das mesmas substâncias foi aprovado pela Câmara dos Deputados em abril deste ano.

Por mais que a promessa de emagrecimento rápido seja tentadora, os perigos oferecidos pelo consumo de remédios para emagrecer são altos.

Mas o que é remédio para emagrecer? São medicamentos que podem ser classificados em três grupos:

Os que diminuem o apetite – anorexígenos

Este tipo de medicamento para emagrecer atua no sistema nervoso central, inibindo a fome e acelerando a queima de calorias; é composto por substâncias conhecidas como a anfetamina. Seus efeitos colaterais incluem insônia, tremedeira, aumento da pressão arterial e depressão. Dietilpropiona, Femproporex e Manzindol são representantes deste grupo.

Os que saciam – sacietógenos

São remédios que estimulam a sensação de saciedade e aumentam o gasto energético, provocando insônia, cefaleia, irritabilidade e constipação intestinal. Os principais remédios para emagrecer desta categoria são a Sibutramina e o Rinabanto, sendo que o primeiro é proibido nos Estados Unidos e na Europa.

Os inibidores absorção de gordura

Cada vez mais comuns, são representados apenas pelo Orlistate e Cetilistate. Estes remédios para emagrecer podem evitar até 30% da absorção de gordura pelo tecido adiposo. O medicamento é eliminado pelo organismo e seus efeitos colaterais dependem da alimentação do indivíduo: por exemplo, se a refeição foi gordurosa, a tendência é intestino solto, com fezes pastosas ou líquidas e podendo conter gotas de gordura.

Quem pode tomar remédio para emagrecer?

Remédios para emagrecer são indicados para quem precisa de um auxílio para perder peso, por exemplo, para quem já faz reeducação alimentar e atividade física e ainda assim tem dificuldade para emagrecer, como argumentado pela endocrinologista Vânia dos Santos, pois somente assim haverá resultados satisfatórios.

Pessoas com hipertensão, glaucoma, problemas cardíacos ou nervosos e portadores de doenças inflamatórias intestinais não devem consumir estes tipos de medicação.

O Melhor Produto Clique Aqui
O tratamento deve ser de curto prazo – o recomendado por especialistas é não exceder três meses – e com avaliação médica, pois em longo prazo os remédios podem causar dependência física e psíquica. O objetivo do tratamento com remédios é ajudar a eliminar peso e não a mantê-lo, e caso não usado corretamente provoca o efeito sanfona.

Portanto, assim como foi frisado pela endocrinologista, para emagrecer e manter-se no peso desejado é necessário aliar alimentação balanceada e atividade física.

Remédio para emagrecer não vai fazer com que você perca peso de maneira eficiente por si só. Consulte um especialista para te indicar – se necessário – o uso de algum medicamento, faça acompanhamento médico e mude seu estilo de vida. Afinal, emagrecer não deve custar sua saúde.

2 Grandes Mitos que impedem você de emagrecer de vez

Sinceramente até pouco tempo atrás eu estava em um processo de tentativa de emagrecimento e nada dava certo. Já tinha tentado de tudo e no final acabava frustrado. Se eu soubesse esses 2 grandes mitos que impedem de  emagrecer de vez eu já teria alcançado meus resultados.

Pensando nisso, eu trouxe para vocês uma entrevista com dois feras na arte do emagrecimento, que além de desmascarar esses dois mitos vão te dar uma dica que você já pode utilizar hoje mesmo. Então não deixe de assistir ao vídeo.

Mas antes deixa eu te falar uma coisa. Você já notou como a divulgado de informações sobre emagrecimento é muito grande, e tem crescido na mesma proporção em que a população tem engordado?

É realmente incrível. Nunca se teve tanta informação, mas parece que nada adianta. Então se você parar pra pensar, será que essas informações estão realmente certas?

Sim, é isso mesmo. Não confie cegamente no que os outros falam. Então porque confiar no que estou falando? Simples, porque eu estou mostrando os resultados para vocês. Que tal você prestar atenção no que tem funcionado e começar a mudar seus resultados?

Eu cheguei a pesar 125kg e hoje, 8 meses depois estou com 18kg a menos, então penso que posso ter um pouco da sua confiança. Mas claro eu também vou dispor do conhecimento do Rodrigo Polesso e do Vinicius Possebom, que são dois experts quando o assunto é emagrecer.

Conheça os efeitos colaterais da Sibutramina 15mg

O Cloridrato de Sibutramina é comercializado com os nomes de Reductil, Sibutrex e Meridia. Esta substância é uma moderadora de apetite largamente usada no tratamento contra a obesidade. Ela auxilia na perda de peso porque age sobre os neurotransmissores cerebrais responsáveis por ativar a sensação de saciedade.

Atualmente no Brasil o seu consumo é liberado, mas sempre com acompanhamento profissional. Nem preciso dizer que é extremamente necessária a receita médica, né!?

Efeitos colaterais da Sibutramina 15mg

Confira abaixo uma lista do principais efeitos colaterais da Sibutramina 15mg:

  • Insônia;
  • Dores de cabeça;
  • Boca seca;
  • Tontura;
  • Náuseas;
  • Asia;
  • Prisão de ventre;
  • Dores musculares;
  • Dor de garganta;
  • Aumento da pressão arterial;

Contraindicações da Sibutramina

Além dos efeitos colaterais da sibutramina 15mg, é importante relatar aqui algumas contraindicações do medicamento. Se você possui ou já teve algumas desta doenças, então você provavelmente NÃO pode usar Sibutramina:

  • Histórico de arritmia cardíaca;
  • Histórico de infarto ou doença coronariana;
  • Histórico de AVC ou AIT;
  • Hipertensão descontrolada (acima de 145/90 mmHg);
  • Histórico de Insuficiência cardíaca congestiva;
  • Histórico de doença arterial periférica;
  • Durante a gravidez e aleitamento;
  • Pessoas com depressão;
  • Anorexia e/ou bulimia;
  • Glaucoma de ângulo fechado;
  • Hipertensão pulmonar;
  • Doença de válvulas cardíacas.

Medicamentos que interagem com a Sibutramina

Por fim, depois dos efeitos colaterais da sibutramina 15mg e das suas contraindicações, é hora de listar alguns medicamentos que interagem com a Sibutramina e devem ser informados ao médico antes de iniciar um tratamento para emagracer. Veja a lista abaixo:

  • Fenelzina;
  • Isocarboxazida;
  • Selegilina;
  • Anfetaminas;
  • Fluoxetina;
  • Sertalina;
  • Escitalopram (demais antidepressivos);
  • Fentanil;
  • Venlafaxina;
  • Clopidogrel;
  • Sumatriptano;
  • Eritromicina;
  • Cetoconazol;
  • Diltiazem;
  • Lítio.

Para finalizar, quero avisar que estes dados estão sendo constantemente atualizados e os efeitos colaterais da sibutramina 15mg, bem como suas contraindicações podem variar com o tempo.

A dica que eu deixo é que JAMAIS tente comprar o medicamento sem receita médica, pois o auxílio profissional sempre é o meio mais seguro de se consumir qualquer medicamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *